• Localização
    do ensaio
  • Nivel no
    início
  • Nivel no
    final
  • Conclusão
    do ensaio
  • Regulamento
    LRA

Local do encaio ao nivel da água no Terreno

A uma distancia de 50,87m da vala, foi aberto um furo no solo com 1,20m abaixo da superfície do terreno. Neste furo foi colocada uma ripa de madeira com vários pontos na vertical, e em simultâneo a mesma acção também na vala junto á berma da via.

Nível actual no começo do ensaio.

Após o inicio deste ensaio procedeu-se ao esvaziamento da vala, com um motor de rega de 1,5" ca. 4 horas e ao esvaziamento directo por tubo de 2". para a canalização do saneamento. Este ensaio deu início no dia 22.04.2010 ás 10 horas e terminou no dia 10.05.2010 as 10 horas.

                               No terreno                                                              Na vala

 

Nível actual no fim do ensaio.

Após os 14 dias da tiragem de água, a vala esvaziou 40cm e o nível do terreno desceu 32cm, reconhecendo assim que o nível da água do solo, desce adequadamente á descida da água na vala.

                               No terreno                                                              Na vala

 

Conclusão do ensaio.

Quanto mais quantidade de água se encontrar na VALA mais sobe o nível da toalha de água no solo, concluindo assim que se não haver água na VALA o nível do SOLO também não sobe.

Para melhor visibilidade consulte o "PARECER" do dia 02.06.2010

 

 

 

R.M. do Serviço de Drenagem de Águas Residuais do Concelho de Leiria.

CAPÍTULO II, DIREITOS E OBRIGAÇÕES

ARTIGO 5.º Direitos e deveres da entidade gestora

Constituem obrigações da entidade gestora:

a) assumir a responsabilidade da concepção, construção, exploração e conservação dos sistemas públicos de drenagem de águas residuais;

b) promover a elaboração dos subsequentes estudos e projectos dos correspondentes sistemas públicos de drenagem;

c) proceder à recolha e drenagem das águas residuais produzidas na sua área de intervenção;

d) cumprir o Plano de Investimentos e, em conformidade, respeitar no planeamento, concepção e execução dos empreendimentos:

d1) a legislação e regulamentação em vigor;

d2) as exigências de qualidade que permitam:

i) a adopção de soluções de nível tecnológico compatível com o desenvolvimento sócio-económico do concelho de Leiria;

ii) a optimização dos custos dos empreendimentos, designadamente em face do número de fases de realização e da área total a beneficiar;

iii) a durabilidade das obras;

e) a satisfação das necessidades, decorrentes da evolução populacional do Concelho de Leiria e do seu desenvolvimento sócio-económico;

f) suportar os encargos de funcionamento em boas condições dos sistemas de drenagem de águas residuais e manter a sua capacidade ajustada à evolução do número de utentes;

g) definir e executar programas de operação dos sistemas de drenagem de águas residuais, com indicação das tarefas, periodicidade e metodologias a aplicar;

h) elaborar, executar e actualizar programas de manutenção dos equipamentos e de conservação dos sistemas de drenagem de águas residuais, com indicação das tarefas, periodicidade e metodologias a aplicar;

i) efectuar todos os consequentes trabalhos de manutenção, reparação e conservação necessários ao adequado funcionamento das infra-estruturas e das demais instalações e dos equipamentos eléctricos, mecânicos e electromecânicos;

j) manter em adequado estado de funcionamento e utilização os bens móveis e proceder à sua substituição, por outros de qualidade não inferior, quando se deteriorarem;

k) promover a instalação, substituição ou renovação e conservação dos ramais de ligação;

l) fornecer, instalar e manter medidores de caudal de águas residuais industriais;

m) fornecer, instalar e manter dispositivos de medição de parâmetros de poluição;

n) fornecer, instalar e manter dispositivos fix

os de recolha de amostras de águas residuais industriais;

o) repor no estado em que se encontravam os pavimentos e quaisquer outras instalações e estruturas afectadas pela realização de obras da sua responsabilidade na via pública;

p) manter actualizado o cadastro das infra-estruturas e instalações afectas ao serviço público de drenagem de águas residuais;

q) emitir pareceres sobre os projectos dos sistemas de drenagem predial;

r) elaborar, executar e actualizar programas de controlo da eficiência dos sistemas de drenagem de águas residuais, em termos qualitativos, quantitativos e energéticos;

s) proceder de forma sistemática e nos termos da legislação em vigor ao controle da qualidade das águas residuais;

t) fixar os valores limite de emissão dos parâmetros característicos das águas residuais industriais para efeitos de descargas no sistema público de drenagem de águas residuais, nos termos deste regulamento;

u) respeitar as exigências de qualidade em conformidade com as normas legais em vigor;

v) registar todos os acontecimentos relevantes para os sistemas de drenagem de águas residuais e proceder ao seu tratamento, de modo a poderem ser úteis à interpretação do seu funcionamento e tornados públicos os resultados anualmente;

w) manter actualizadas as informações e os elementos estatísticos respeitantes ao funcionamento das instalações;

x) estabelecer com os utentes uma relação global respeitadora dos princípios orientadores da prestação de serviço público;

y) manter actualizados os ficheiros dos utentes, incluindo a sua identificação;

z) dispor de serviços de atendimento aos utentes em horário adequado à resolução dos seus problemas com o serviço público de drenagem de águas residuais, em locais apropriados na área do concelho de Leiria;

aa) dispor de serviços de cobrança, nos locais de atendimento referidos na alínea anterior ou em outros locais pré-determinados, ou mandar terceiros para esse efeito, por forma a que os utentes possam cumprir as suas obrigações com o menor incómodo possível;

bb) dispor ao seu serviço de pessoal técnico e administrativo em número e qualificações adequados à boa execução do serviço público de drenagem de águas residuais;

cc) assegurar a adequada formação e reciclagem do pessoal de operação e manutenção dos sistemas públicos de drenagem de águas residuais;

dd) proceder, em tempo útil, à cobrança das tarifas e taxas;

ee) assegurar a máxima rentabilidade do serviço público de drenagem de águas residuais, sem prejuízo de manter, em permanência, adequadas condições de exploração, em condições de equilíbrio económico e financeiro auto-sustentáveis;

ff) responder aos inquéritos relacionados com o serviço público de drenagem de águas residuais que sejam solicitados por entidades oficiais.